quarta-feira, 13 de julho de 2011

Minha vida

Faço tudo diferente
Tudo errado, inconsequente,
Só por que é errado pra você
Não pode ser certo pra mim?
Por que não pode ser assim?

Não sou igual a ninguém
E ninguém é igual a mim
É assim que tem que ser, enfim...

Eu vivo a vida do meu jeito
Como se não tivesse fim
Mais quando eu morrer
Quero que jures pra mim

Quando alguém lhe perguntar:
"Como ele morreu?"
Você irá sorrir e falar:
Contarei a você, como ele viveu.

5 comentários:

  1. Já disse que seus textos são lindos? Pois é, eles são!


    @fefisonline

    ResponderExcluir
  2. voce conseguio falar sobre voce exatamente, te vejo assim, e ai nesse poema tb vejo um pouco de mim ! amei denovo

    ResponderExcluir